COMO EXPLICAR O CRESCIMENTO RÁPIDO DE HADDAD

  • Postato por maurilio em Sexta 14 09-2018 10:27
COMO EXPLICAR O CRESCIMENTO RÁPIDO DE HADDAD

COMO EXPLICAR O CRESCIMENTO RÁPIDO DE HADDAD

 
 
 
Lula saiu de Caetés como retirante e não teve oportunidade de fazer universidade. Seu aprendizado foi feito nas fábricas, nas ruas, no sindicato, no contato com artistas e intelectuais, na política. 
 
Enfim, apreendeu com a vida, o mundo.
 
Sem o diploma de curso superior, Lula foi o presidente que mais criou universidades no Brasil e que interiorizou as escolas técnicas federais por todo país.
 
O preconceito de classe contra o ex-operário, no entanto, fez com que uma grande parcela de brasileiros nunca perdoasse sua origem humilde e a baixa escolaridade.
 
Candidato indicado por Lula para livrar o Brasil das crueldades de Michel Temer, Fernando Haddad tem todas as credenciais para governar. Se o problema era diploma, os intelectuais de Facebook, os que se informam pela TV Globo e outros instrumentos a serviço da Casa Grande vão ter que criticar o ex-ministro com argumentos mais consistentes.
 
Um breve currículo de Haddad:
 
- Bacharel em Direito pela USP
- Mestre em Economia pela Universidade de São Paulo
- PHD em Filosofia pela USP
- Ministro da Educação que fortaleceu o ENEN, criou o Prouni, espalhou universidades e escolas técnicas pelo interior do Brasil, beneficiando inclusive Garanhuns.
- Professor de Ciência Política da Universidade de São Paulo
- Prefeito eleito de São Paulo em 2012.
 
Atacado diariamente pela Jovem Pan, Globo e outros veículos da grande imprensa, quando foi candidato à reeleição Haddad não chegou ao segundo turno, mesmo assim por muito pouco. 
 
Quem venceu a eleição foi João Dória (PSDB), que assumiu e passou o tempo todo viajando, depois abandonou a prefeitura e agora quer ser governador.
 
Embora não tenha sido reconhecido pela maioria -  e governar para os pobres nem sempre rende votos -, Fernando Haddad recebeu dois prêmios internacionais pela sua gestão, num deles concorrendo com prefeitos das maiores cidades do mundo.
 
Além do português, o candidato do PT fala bem o francês, inglês e espanhol.
 
Haddad é tão preparado quanto Ciro Gomes. A diferença entre os dois candidatos é que o ex-prefeito de São Paulo é calmo, não tem o pavio curto do outro. Além disso não vive trocando de partido como quem muda de camisa. É filiado ao PT desde 1983.
 
Ciro começou na política ligado ao PDS que sucedeu a Arena, partido de sustentação à ditadura militar. Foi do PSDB, PPS, PSB e agora está no PDT.
 
Haddad é o candidato de Lula, o maior líder popular deste país, que prenderam para impedir sua volta à presidência. 
 
Ciro é um político preparado, uma pessoa inteligente, mas é candidato de si mesmo,  para satisfazer seu enorme ego.
 
Ciro Gomes disse que "o Brasil não merece outra Dilma". Mera frase de efeito, na qual está embutida um deslize, um apoio velado ao impeachment sem crime de 2016.
 
Fernando Haddad não é Dilma e é Lula só no coração do povo. Ele tem personalidade própria e capacidade.
 
O que o Brasil não merece é Temer, é Aécio, é Eliseu Padilha, é Meirelles,  é um Congresso Nacional com tanta gente safada, é uma classe dirigente tão atrasada e uma mídia tão comprometida com um país atrasado e injusto.
 
Podemos não ter as melhores opções, mas temos alguns caminhos a seguir:
 
Um é o receituário de Bolsonaro, que deseja resolver os problemas na bala, na truculência, no discurso racista e homofóbicos; outro é o de Geraldo com propostas de governar bastantes semelhantes ao do atual presidente; Marina com sua fragilidade de propostas e sem uma base consistente de apoio; Ciro isolado e temperamental ou Haddad representando os setores mais fortes da esquerda, os intelectuais, os professores, os trabalhadores, o grande partido de massa que é o PT e o ex-presidente que mesmo na cadeia está no coração do povo.

Notícias Recomendadas

Faça um comentário

Publicidade

Lista de galerias

Publicidade

Mais tocadas

  • 1 Luan Santana

    Acordando o Prédio

  • 2 Wesley Safadão Part. Marília Mendonça

    Ninguém é de ferro

Publicidade

Publicidade